Porque pintar unha apenas de vermelho quando há tanto por onde escolher?

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Desafio Arranjei um 31 #31 Esmaltando para homenagear

Chegámos ao último desafio e afinal não arranjei nenhum 31, mas sim um hobby que me tranquiliza o espírito e me deixa voar a alma nas inúmeras voltas da criatividade. Não acreditei que teria a disciplina de pintar durante 31 semanas uma manicure, quantas vezes adoidada, original ou improvável de me ver, na maioria das vezes o encontro com a Dona Acetona era imediato e sem tempo para 3º grau após a foto necessária para comprovar o feito.
E já agora, aviso:
Este post, ahhh este vou escrever no meu Português de Portugal. 

Nos últimos 23 anos da minha vida posso dizer que orgulhosamente sou mãe de uma pessoa linda: possui um bom coração, tem valores, personalidade e sentido de humor. Ser uma boa pessoa, seria – sem dúvida – o que deveria definir o meu filho Pedro, não o seu autismo. O Pedro existe para além do autismo, foi criança, foi adolescente, é adulto, com um sorriso lindo de viver, o seu peculiar olhar de esguelha com que enfrenta o mundo que o rodeia e com uma percepção da realidade que vai muito para além do esperado ‘numa pessoa como ele’… mas pergunto-me tanta vez se todos os autistas são diferentes, o que se poderia esperar do conceito tolo de uma pessoa como ele???
Se estão a pensar até este momento que a homenagem é para o meu filho, vá lá, meninas... desenganem-se!, tirem essa carinha de ownnn porque parece, mas não é para meu Pedro!!! Acho que o fiz nos desafios #FLORIPA e #FÉRIAS com mais ênfase. 
Aqui e agora, a homenagem vai para uma outra pessoa (que neste momento são duas: explico), para alguém que transporta literalmente outra pessoa consigo. Exactamente, a minha homenagem é a uma mãe grávida. É para a Mel. Tal como a analogia desta foto que o Pedrinho me tirou antes de acabar a mani, a homenagem é para um Pedro que ainda está a ser “acabado” e “retocado” e está prestes a ser mostrado ao mundo. 
A doce Mel (e que me perdoem esta redundância) diz-me frequentemente uma frase que me arrepia, me comove até ao mais profundo do meu âmago e, dei-me conta, por tanto me repetir, este sentir apenas acontece porque nunca me foi dito por outra pessoa em toda a minha vida de mãe. A Mel tem uma menina linda, a Aninha e está agora à espera de um menino, que será um Pedro. 
Brinca de uma forma muito carinhosa por serem os nossos nomes, meu e de meu filho, e vai mais além de tudo e de todos ao afirmar que gostaria que o seu Pedro seja como o meu.
Eu sei que fala do carácter, da personalidade, da pessoa que o meu filho é, e fico tão, mas tão grata por ouvi-la cada uma das vezes que o repete… nunca tive esta conversa com a Mel, vai lê-lo aqui, mas há 23 anos que as grávidas ‘fogem’ de mim, como se o autismo se contagiasse por proximidade, não querem nem partilhar nem saber, e eu melhor que todo o mundo entendo esse medo estático debaixo da pele, entranhado silenciosamente na alma de cada futura mãe, fico triste com cada afastamento de mim, mas até aceito. Fiquei particularmente triste quando uma das minhas amigas mais chegadas (e minha cunhada) desapareceu da minha vida durante as gravidezes. Eu entendi, como entendi!!, no caso, o medo seria bem mais real que com qualquer outra amiga (porque poderia acontecer-lhe visto ser genético), mas a nossa amizade baloiçou e, eu Ana, não tenho culpa de um medo de que tb sou escrava, que também mudou a minha vida. 
A Mel Sanroman está grávida e não tem medo de me dizer: «Eu quero que o meu Pedro seja como o seu.» E comove-me ouvi-la, comove-me escrevê-lo, não tenho nem sei onde encontrar palavras para poder agradecer alguém que não tenha medo e me diga por fim o que não esperava ouvir nunca, que a Mel consiga ver o meu filho para além do autismo!!, logo nos 9 meses de gestação que as hormonas andam loucas, se fica mais vulnerável, susceptivel e tudo o mais… a Mel tem de ter uma paz imensa com ela para poder conseguir ter essa leveza de sentimentos. Eu fico grata para além do razoável, para além do que possa dizer, escrever, chorar ou sentir. Para o teu Pedro, querida Mel, desejo – em primeiro lugar e mais do que tudo – que seja saudável (rijo como um pêro, como diziam os antigos). Filho de uma MÃE de alma tão generosa quanto a tua… a ser verdade que as crianças escolhem as mães que vão ter nesta vida – a ser verdade, porque eu não sei se assim será – então este Pedro soube escolher uma pessoa de bem, para o acolher, mimar, educar e amar. 


E para ti, Mel, desejo toda, mas toda a felicidade que houver nessa vida, daquela com sabor de fruta mordida, daquela que se tem a sorte viver como na belíssima música da Cássia Eller que fala de um amor tranquilo. Desejo-te uma vida muito feliz, minha doce Mel. Obrigada. 

8 comentários:

Renata Costa disse...

Me emocionei muito Ana!!
Da um beijo na Mel por mim?
Eu imagino a sua alegria, estamos acostumadas com pessoas que simplesmente não conseguem enxergar além da aparência, olham a casca, e exigem um padrão, como se nossos filhos fossem um produto que compramos no supermercado,o Pedro é especial não pelo autismo, e sim pelo carinho, companheirismo poww ele é seu amigão!!! Ele é tudo e mais um pouco que uma mão deseja de um filho!!
Um Beijão Ana vc é uma super mãe!! Eu tenho muito orgulho de vc

Esmaltando com FeFê disse...

Ana, sempre me emociono com esse seu amor e esse carinho que vocês tem um pelo outro...

Parabéns aos dois.

Beijos

Melissa Sanroman disse...

Ana, linda!

Puxa, como me emocionei ao ler o post!!!
Ontem eu estava tão triste, tanta coisa acontecendo, e hoje esse presente lindo!
Eu realmente acho o seu Pedro lindo. Mais lindo ainda por ter vencido algumas barreiras pensadas intransponíveis do autismo - é só olhar para ele, um vencedor, afinal a alma não é doente. É exatamente essa força que eu desejo aos meus filhos; com ela, eles certamente serão felizes.
Quando eu vejo o seu relacionamento com ele, tão próximo, tão cúmplice, como não desejar um filho amigo? Como não desejar uma cabeleira negra como a dele para cheirar durante o cafuné? Como não desejar que um dia meu Pedro seja um homem feito como o seu?
Medo que meu filho nasça com algum "defeitinho"? Claro, tenho, como toda mãe. Mas, se ele nascer com qualquer problema, EU irei amá-lo a despeito de tudo. EU serei sua defensora. Afinal, o que é ser mãe?
Por isso não tenho medo de dizer que tomara que meu Pedro seja como o seu. E mais: tomara que a minha Ana (e que eu também)tenha a sua grandeza - de ser mãe, de ser mulher.
Amo-te ainda mais, amiga Ana. Irmã Ana. E desejo que um dia, as Anas, os Pedros e eu nos encontremos... um dia hei de afundar meus dedos na cabeleira negra do seu Pedro, assim como vc irá esmaltar as unhas da minha Ana. E meu Pedrinho saberá que não há distância para a amizade, ainda que um oceano nos separe.

Difícil escrever para uma escritora. Ainda mais depois de uma surpresa, de um presente como esse que eu ganhei.
É muito amor!

Rosemary Goldner disse...

Simplesmente emocionante, como tudo que Ana faz, com intensidade e muito amor! Ser mãe é algo inexplicável, e muito engraçado pois jamais poderemos trocar o filho ou devolver! É uma questão de amor diário. Eu entendo a Ana e suas graciosidades perfeitamente! Lindooooo! Parabéns Mel!!!!!

Jaqueline disse...

Olá, conheci seu blog por acaso e estou adorando
já estou te seguindo..
Se puder me seguir tb ficarei mega feliz.. bjs


Esmaltices da Jaque
**
Sorteio Esmaltes Blant

Desa Botelho disse...

Homenagem linda ...... adorei

Che. disse...

creio mesmo que os filhos escolhem as mães. Deus não nos consagra uma cruz que não podemos carregar. Ana está mais próxima desse amor divino. Foi distinguida. e estas palavras que escreveu são de uma natural elevação que nem todos possuímos. por isso nos tocam cá dentro. Obrigada!

Portal de blogs teia disse...

Boa tarde.
Sou do Portal de Blogs Teia.
Gostei muito do seu blog e quero lhe convidar a fazer parte de nossos amigos blogueiros e assim ter suas postagens divulgadas gratuitamente,de forma fácil e sem cadastro.
Se interessar é só nos fazer uma visitinha.
Até mais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...